Ressonância Magnética

A ressonância magnética nuclear é um poderoso exame realizado mediante o uso de um aparelho específico, que possibilita a verificação das estruturas corporais através de um campo magnético, ondas de rádio e um computador. O exame produz fotografias detalhadas das estruturas do corpo humano.

Esse exame é requerido como complemento ao diagnóstico ou monitoramento dos tratamentos de diversas doenças de peito, abdome e pélvis. Caso a mulher esteja grávida, a ressonância pode ser usada para monitorar o bebê de forma segura.

O que é a Ressonância Magnética?

A ressonância magnética é uma tecnologia do tipo não invasiva que produz imagens anatômicas tridimensionais detalhadas, sem o uso de uma radiação que danifique o corpo humano. Ela é usada frequentemente na detecção de doenças e no diagnóstico e tratamento de afecções.

Ela é baseada em uma sofisticada tecnologia que estimula e detecta as mudanças na direção do eixo de rotação de prótons, que se encontram na água que compõe os tecidos vivos.

Este exame emprega imãs poderosos que produzem um potente campo magnético, que obriga aos prótons do corpo a ficarem alinhados com o campo. Quando há corrente de radiofrequência através de um paciente, os prótons são estimulados e giram fora de equilíbrio, lutando contra as forças do campo magnético.

Quando o campo da radiofrequência é desligado, os sensores da ressonância são capazes de detectar a energia liberada enquanto os prótons ficam alinhados no campo magnético. O tempo que os prótons demoram nesse realinhamento com o campo, assim como a quantidade de energia liberada, variam conforme o entorno e a natureza química das moléculas.

Os médicos são capazes de identificar a diferença entre os vários tipos de tecidos tendo como base as propriedades magnéticas.

Para obter uma imagem por ressonância magnética, o paciente é colocado dentro de um imã bem grande. A pessoa deve permanecer imóvel durante o processo para que a imagem fique nítida.

Os meios de contraste podem ser administrados ao paciente via venosa, antes ou durante a ressonância. Eles são usados no intuito de aumentar a velocidade na qual os prótons são alinhados com o campo magnético. Quando a velocidade de realinhamento é alta, a imagem é mais brilhante.

Como funciona o exame?

Os scanners da ressonância magnética são particularmente apropriados para obter imagens das partes não ósseas ou de tecidos moles do corpo humano. No que concerne às suas diferenças com a tomografia computadorizada, a ressonância não faz uso de radiação ionizante.

O cérebro, a medula espinhal e os nervos assim como os músculos, ligamentos e tendões podem ser visualizados de forma muito mais claras com a ressonância. Inclusive, as imagens geradas são bem mais eficientes do que as ocasionadas por raios X e tomografias regulares.

Por esse motivo, a ressonância magnética é extremamente usada pelos médicos no intuito de promover o diagnóstico e tratamento de afecções da pelve.

Embora a ressonância magnética não emita radiação perigosa aos humanos, para a sua realização é empregado um potente campo magnético. O campo se estende além do equipamento e exerce forças poderosas sobre objetos de ferro, aço e outros objetos facilmente magnetizados.

Visto esses efeitos, é fundamental que os pacientes avisem o médico quando detectarem situações que possam desencadear perigos durante a realização de um exame deste tipo, tal como o uso de implantes de metal.

Assim, existem uma série de condições que restringem a realização do exame:

  • Pessoas com implantes tais como marca-passos, próteses metálicas, monitores cardíacos subcutâneos, etc.
  • Alergia a algum método de contraste.
  • Claustrofobia.
  • Gravidez.

Para quem o exame é indicado?

O exame conhecido como ressonância magnética possui múltiplas indicações. Assim sendo, muitas pessoas podem realizá-lo a fim de embasar um diagnóstico ou complementar ações de tratamentos. A ressonância magnética é relevante para uma série de ocasiões. Ela pode ser usada a fim de detectar estruturas danificadas do sistema músculo esquelético, coluna vertebral, crânio, abdome, tórax, coração e pelve.

No que concerne à esta última região corporal, a ressonância magnética ocupa especial relevância para pessoas que precisam confirmar ou descartar um diagnóstico.

Felizmente, os avanços tecnológicos têm permitido que a ressonância magnética ocupe posições de destaque na lista de exames fundamentais para diagnóstico, tratamento e seguimento de pacientes.

Dessa forma, as aplicações têm aumentado e hoje, o exame é indispensável para a detecção de neoplasias endometriais. Além disso, a ressonância de pelve permite a correta visualização do útero e seus anexos, reto, próstata e bexiga.

A ressonância magnética também é extremamente indicada para pessoas que necessitam ter um melhor diagnóstico ou seguimento do estado de órgãos localizados no tórax tais como coração, pulmões, diafragma e mamas.

Sobre essas últimas estruturas, é importante citar que o cuidado das glândulas mamárias e a realização de exames periódicos diminui as chances de acometimento de câncer de mama. Embora muitas vezes não seja possível reduzir as chances de ocorrência, a ressonância magnética ajuda na redução da mortalidade. Isso porque o exame possibilita a detecção precoce de nódulos e estruturas indicadoras da doença.

Preparação para a Ressonância Magnética

Em diversas ocasiões, a ressonância magnética é realizada sem o uso de contrastes, no entanto, há casos que requerem uma preparação especial. Neste tipo de exame por campo magnético é ministrado um contraste especial.

Os exames de ressonância que fazem uso de contraste são bastante seguros, inclusive, a probabilidade de aparecer alguma reação alérgica é bem rara. No entanto, os contrastes não devem ser usados em alguns casos.

Esses não são recomendados quando o paciente possui problemas na função renal. Isso acontece porque as pessoas que têm patologias desse tipo podem desenvolver fibrose sistêmica progressiva. Neste sentido, é indispensável que a pessoa informe ao médico caso tenha histórico de doenças renais.

Não é recomendado o uso de contrastes em mulheres grávidas. Desta forma, é relevante que a mulher comunique ao médico caso suspeite de uma gravidez.

Conforme foi mencionado antes, em muitas ocasiões não é necessário o uso de uma preparação específica como contrastes. No entanto, às vezes o uso dessa preparação é requerida.

Não é comum ser solicitada uma preparação prévia como jejum ou consumo de certos medicamentos. Contudo, todas as indicações devem ser devidamente seguidas e caso o médico detecte a necessidade de uso, este deve ser acatado.

Veja algumas recomendações para quem vai fazer uma ressonância:

Dependendo do órgão a ser estudado, alguns exames de abdome e pelve requerem a não ingestão de alimentos nem água durante várias horas antes de sua realização.

No que concerne à roupa, a pessoa pode estar vestida da forma desejada, no entanto, é interessante estar com roupas fáceis de tirar. Não convém usar objetos metálicos como brincos, pulseiras, etc.

É importante levar os documentos e a autorização/requisição do médico. Antes de ser realizado o exame, as orientações, cuidados e riscos são informados ao paciente.

O que fazer após os exames: Quais cuidados devem ser mantidos?

Embora existam alguns tipos de ressonância que requerem cuidados prévios à realização do exame, como se trata de um exame não invasivo não há necessidade de manter cuidados ao finalizá-lo. Assim sendo, a pessoa pode manter os hábitos de vida normais.

Principais problemas diagnosticados pelo exame?

O exame de ressonância magnética serve para detectar problemas nos órgãos e outras estruturas moles do corpo humano. Desta forma, diversas afecções podem ser diagnosticadas e tratadas mediante a realização de ressonância magnética.

Como o exame é extremamente assertivo, ele pode ser usado para diagnosticar assim como tratar doenças severas como o câncer. Problemas cardíacos, doenças renais, afecções respiratórias também podem ser detectadas graças à realização de este tipo de exame.

Contraindicações para a realização da Ressonância Magnética: Quem não deve realizar o exame?

Geralmente não é possível fazer uma ressonância magnética se o paciente conta com:

  • Um dispositivo eletrônico a título de implante como marca-passo, clips cirúrgicos, próteses metálicas (alguns metais), válvula cardíaca artificial, implantes auditivos metálicos.
  • Objeto de metal que contenha ferro.

É importante avisar ao médico caso:

  • Gravidez.
  • Padecimento de diabete.
  • Faz uso de hipoglicêmicos orais.
  • Possui antecedente de trabalho com metais.

Riscos:

As imagens por ressonância magnética não oferecem risco de radiação ionizante e até o momento não tem havido relatos de efeitos colaterais significativos no corpo humano.

O tipo de meio de contraste mais comum é o gadolino, inclusive, esta substância é extremamente segura. As reações alérgicas à substância raras vezes ocorrem. A pessoa que opera a máquina vigia a frequência cardíaca e a respiração, à medida que seja necessário.

A ressonância não é recomendada em situações nas quais o paciente apresente um traumatismo agudo, pois o equipamento necessário para a sua segurança não pode ingressar na área do scanner. Algumas pessoas têm sofrido lesões por conta da presença de objetos metálicos no corpo tais como piercings, brincos. Por isso é necessário que a pessoa lembre de retirá-los antes de fazer o exame.

Está com dúvidas sobre o exame? Quer fazer perguntas antes de marcar o horário? Entre em contato conosco e tire as suas dúvidas acerca do exame de ressonância magnética.

Clínica da Mama de Brasília conta com recursos avançados para realização da Ressonância Magnética.

MARQUE SUA CONSULTA OU EXAME

Ressonância Magnética

A ressonância magnética nuclear é um poderoso exame realizado mediante o uso de um aparelho específico, que possibilita a verificação das estruturas corporais através de um campo magnético, ondas de rádio e um computador. O exame produz fotografias detalhadas das estruturas do corpo humano.

Esse exame é requerido como complemento ao diagnóstico ou monitoramento dos tratamentos de diversas doenças de peito, abdome e pélvis. Caso a mulher esteja grávida, a ressonância pode ser usada para monitorar o bebê de forma segura.

O que é a Ressonância Magnética?

A ressonância magnética é uma tecnologia do tipo não invasiva que produz imagens anatômicas tridimensionais detalhadas, sem o uso de uma radiação que danifique o corpo humano. Ela é usada frequentemente na detecção de doenças e no diagnóstico e tratamento de afecções.

Ela é baseada em uma sofisticada tecnologia que estimula e detecta as mudanças na direção do eixo de rotação de prótons, que se encontram na água que compõe os tecidos vivos.

Este exame emprega imãs poderosos que produzem um potente campo magnético, que obriga aos prótons do corpo a ficarem alinhados com o campo. Quando há corrente de radiofrequência através de um paciente, os prótons são estimulados e giram fora de equilíbrio, lutando contra as forças do campo magnético.

Quando o campo da radiofrequência é desligado, os sensores da ressonância são capazes de detectar a energia liberada enquanto os prótons ficam alinhados no campo magnético. O tempo que os prótons demoram nesse realinhamento com o campo, assim como a quantidade de energia liberada, variam conforme o entorno e a natureza química das moléculas.

Os médicos são capazes de identificar a diferença entre os vários tipos de tecidos tendo como base as propriedades magnéticas.

Para obter uma imagem por ressonância magnética, o paciente é colocado dentro de um imã bem grande. A pessoa deve permanecer imóvel durante o processo para que a imagem fique nítida.

Os meios de contraste podem ser administrados ao paciente via venosa, antes ou durante a ressonância. Eles são usados no intuito de aumentar a velocidade na qual os prótons são alinhados com o campo magnético. Quando a velocidade de realinhamento é alta, a imagem é mais brilhante.

Como funciona o exame?

Os scanners da ressonância magnética são particularmente apropriados para obter imagens das partes não ósseas ou de tecidos moles do corpo humano. No que concerne às suas diferenças com a tomografia computadorizada, a ressonância não faz uso de radiação ionizante.

O cérebro, a medula espinhal e os nervos assim como os músculos, ligamentos e tendões podem ser visualizados de forma muito mais claras com a ressonância. Inclusive, as imagens geradas são bem mais eficientes do que as ocasionadas por raios X e tomografias regulares.

Por esse motivo, a ressonância magnética é extremamente usada pelos médicos no intuito de promover o diagnóstico e tratamento de afecções da pelve.

Embora a ressonância magnética não emita radiação perigosa aos humanos, para a sua realização é empregado um potente campo magnético. O campo se estende além do equipamento e exerce forças poderosas sobre objetos de ferro, aço e outros objetos facilmente magnetizados.

Visto esses efeitos, é fundamental que os pacientes avisem o médico quando detectarem situações que possam desencadear perigos durante a realização de um exame deste tipo, tal como o uso de implantes de metal.

Assim, existem uma série de condições que restringem a realização do exame:

  • Pessoas com implantes tais como marca-passos, próteses metálicas, monitores cardíacos subcutâneos, etc.
  • Alergia a algum método de contraste.
  • Claustrofobia.
  • Gravidez.

Para quem o exame é indicado?

O exame conhecido como ressonância magnética possui múltiplas indicações. Assim sendo, muitas pessoas podem realizá-lo a fim de embasar um diagnóstico ou complementar ações de tratamentos. A ressonância magnética é relevante para uma série de ocasiões. Ela pode ser usada a fim de detectar estruturas danificadas do sistema músculo esquelético, coluna vertebral, crânio, abdome, tórax, coração e pelve.

No que concerne à esta última região corporal, a ressonância magnética ocupa especial relevância para pessoas que precisam confirmar ou descartar um diagnóstico.

Felizmente, os avanços tecnológicos têm permitido que a ressonância magnética ocupe posições de destaque na lista de exames fundamentais para diagnóstico, tratamento e seguimento de pacientes.

Dessa forma, as aplicações têm aumentado e hoje, o exame é indispensável para a detecção de neoplasias endometriais. Além disso, a ressonância de pelve permite a correta visualização do útero e seus anexos, reto, próstata e bexiga.

A ressonância magnética também é extremamente indicada para pessoas que necessitam ter um melhor diagnóstico ou seguimento do estado de órgãos localizados no tórax tais como coração, pulmões, diafragma e mamas.

Sobre essas últimas estruturas, é importante citar que o cuidado das glândulas mamárias e a realização de exames periódicos diminui as chances de acometimento de câncer de mama. Embora muitas vezes não seja possível reduzir as chances de ocorrência, a ressonância magnética ajuda na redução da mortalidade. Isso porque o exame possibilita a detecção precoce de nódulos e estruturas indicadoras da doença.

Preparação para a Ressonância Magnética

Em diversas ocasiões, a ressonância magnética é realizada sem o uso de contrastes, no entanto, há casos que requerem uma preparação especial. Neste tipo de exame por campo magnético é ministrado um contraste especial.

Os exames de ressonância que fazem uso de contraste são bastante seguros, inclusive, a probabilidade de aparecer alguma reação alérgica é bem rara. No entanto, os contrastes não devem ser usados em alguns casos.

Esses não são recomendados quando o paciente possui problemas na função renal. Isso acontece porque as pessoas que têm patologias desse tipo podem desenvolver fibrose sistêmica progressiva. Neste sentido, é indispensável que a pessoa informe ao médico caso tenha histórico de doenças renais.

Não é recomendado o uso de contrastes em mulheres grávidas. Desta forma, é relevante que a mulher comunique ao médico caso suspeite de uma gravidez.

Conforme foi mencionado antes, em muitas ocasiões não é necessário o uso de uma preparação específica como contrastes. No entanto, às vezes o uso dessa preparação é requerida.

Não é comum ser solicitada uma preparação prévia como jejum ou consumo de certos medicamentos. Contudo, todas as indicações devem ser devidamente seguidas e caso o médico detecte a necessidade de uso, este deve ser acatado.

Veja algumas recomendações para quem vai fazer uma ressonância:

Dependendo do órgão a ser estudado, alguns exames de abdome e pelve requerem a não ingestão de alimentos nem água durante várias horas antes de sua realização.

No que concerne à roupa, a pessoa pode estar vestida da forma desejada, no entanto, é interessante estar com roupas fáceis de tirar. Não convém usar objetos metálicos como brincos, pulseiras, etc.

É importante levar os documentos e a autorização/requisição do médico. Antes de ser realizado o exame, as orientações, cuidados e riscos são informados ao paciente.

O que fazer após os exames: Quais cuidados devem ser mantidos?

Embora existam alguns tipos de ressonância que requerem cuidados prévios à realização do exame, como se trata de um exame não invasivo não há necessidade de manter cuidados ao finalizá-lo. Assim sendo, a pessoa pode manter os hábitos de vida normais.

Principais problemas diagnosticados pelo exame?

O exame de ressonância magnética serve para detectar problemas nos órgãos e outras estruturas moles do corpo humano. Desta forma, diversas afecções podem ser diagnosticadas e tratadas mediante a realização de ressonância magnética.

Como o exame é extremamente assertivo, ele pode ser usado para diagnosticar assim como tratar doenças severas como o câncer. Problemas cardíacos, doenças renais, afecções respiratórias também podem ser detectadas graças à realização de este tipo de exame.

Contraindicações para a realização da Ressonância Magnética: Quem não deve realizar o exame?

Geralmente não é possível fazer uma ressonância magnética se o paciente conta com:

  • Um dispositivo eletrônico a título de implante como marca-passo, clips cirúrgicos, próteses metálicas (alguns metais), válvula cardíaca artificial, implantes auditivos metálicos.
  • Objeto de metal que contenha ferro.

É importante avisar ao médico caso:

  • Gravidez.
  • Padecimento de diabete.
  • Faz uso de hipoglicêmicos orais.
  • Possui antecedente de trabalho com metais.

Riscos:

As imagens por ressonância magnética não oferecem risco de radiação ionizante e até o momento não tem havido relatos de efeitos colaterais significativos no corpo humano.

O tipo de meio de contraste mais comum é o gadolino, inclusive, esta substância é extremamente segura. As reações alérgicas à substância raras vezes ocorrem. A pessoa que opera a máquina vigia a frequência cardíaca e a respiração, à medida que seja necessário.

A ressonância não é recomendada em situações nas quais o paciente apresente um traumatismo agudo, pois o equipamento necessário para a sua segurança não pode ingressar na área do scanner. Algumas pessoas têm sofrido lesões por conta da presença de objetos metálicos no corpo tais como piercings, brincos. Por isso é necessário que a pessoa lembre de retirá-los antes de fazer o exame.

Está com dúvidas sobre o exame? Quer fazer perguntas antes de marcar o horário? Entre em contato conosco e tire as suas dúvidas acerca do exame de ressonância magnética.

Clínica da Mama de Brasília conta com recursos avançados para realização da Ressonância Magnética.

OUTROS EXAMES

MARQUE SUA CONSULTA OU EXAME:

Para Agendar Consultas, Exames e Procedimentos.
(61) 3213 6625