Para que serve a ressonância magnética?

A ressonância magnética é um exame de imagem que ajuda no diagnóstico e investigação de diferentes doenças. Devido à alta definição do exame ele permite identificar lesões, tumores e condições adversas do paciente.

Um benefício do exame é a não exposição do paciente à radiação, diferentemente da radiografia e da tomografia. Portanto, não há um limite para o número de exames ao qual o paciente pode ser submetido com esta técnica.

Com essas vantagens, a ressonância está entre os exames mais completos e eficazes que podem ser solicitados para auxílio do diagnóstico de diferentes condições. Saiba mais sobre a técnica a seguir!

Como é realizada a ressonância magnética?

A ressonância magnética é um exame considerado não invasivo e indolor. No entanto, alguns pacientes relatam desconforto ao serem submetidos ao procedimento, uma vez que a correta abordagem inclui ficar imóvel em um equipamento parcialmente fechado, em uma certa posição.

Para realizar o exame o paciente deve retirar joias, botões ou roupas com itens metálicos, também é necessário informar caso utilize próteses, marcapasso ou DIU e relatar quais medicamentos se faz uso. Algumas dessas situações podem impedir a realização da ressonância.

Em alguns casos, pode-se usar protetores de ouvido para aliviar o incômodo causado pelo barulho do aparelho durante a realização do exame. Caso sinta algum desconforto ou relate algum problema, o paciente pode acionar um dispositivo que fica todo o tempo à sua disposição, avisando o técnico e interrompendo o exame. Devido ao detalhamento do exame, qualquer movimento pode prejudicar a imagem obtida, sendo que em alguns casos, os profissionais responsáveis podem optar por imobilizar a parte do corpo alvo do exame.

Dependendo da solicitação do médico, pode ser necessário o uso de contraste por via intravenosa para visualizar mais claramente as estruturas internas. Caso essa indicação seja feita, a substância utilizada é o gadolínio, o mais seguro, minimizando alergias e efeitos colaterais.

Após a realização do exame o paciente é liberado imediatamente. O resultado pode demorar alguns dias para ser emitido.

Quando a ressonância magnética é indicada?

Como afirmado anteriormente, a ressonância magnética é um exame indicado para auxiliar no diagnóstico de diferentes condições. O mecanismo do aparelho é baseado na organização de prótons dos átomos de hidrogênio existentes no corpo, assim eles emitem uma corrente elétrica durante o exame pela qual é possível identificar oscilações milimétricas no exame.

Entre as patologias que podem ser diagnosticadas estão:

  • aneurismas;
  • tumores;
  • derrames;
  • infecções;
  • doenças cardíacas;
  • tendinite;
  • esclerose múltipla;
  • malformações.

O médico poderá recomendar a ressonância magnética quando tiver suspeita dessas diferentes doenças ou quiser investigar mais detalhadamente um diagnóstico já confirmado. Atualmente, o exame é pouco usado como uma opção para prevenção, mas é um grande aliado na identificação de doenças como o câncer de mama.

Nesses casos, o exame permite identificar as características do tumor e assim auxiliar o médico na definição de uma conduta mais adequada, como a cirúrgica, quimioterápica ou outra. Apenas um oncologista de confiança poderá confirmar se a ressonância magnética é o exame mais adequado para o caso.

Arquivo em: — Clínica da Mama @ 20/03/2018, 09:00

MARQUE SUA CONSULTA OU EXAME

A ressonância magnética é um exame de imagem que ajuda no diagnóstico e investigação de diferentes doenças. Devido à alta definição do exame ele permite identificar lesões, tumores e condições adversas do paciente.

Um benefício do exame é a não exposição do paciente à radiação, diferentemente da radiografia e da tomografia. Portanto, não há um limite para o número de exames ao qual o paciente pode ser submetido com esta técnica.

Com essas vantagens, a ressonância está entre os exames mais completos e eficazes que podem ser solicitados para auxílio do diagnóstico de diferentes condições. Saiba mais sobre a técnica a seguir!

Como é realizada a ressonância magnética?

A ressonância magnética é um exame considerado não invasivo e indolor. No entanto, alguns pacientes relatam desconforto ao serem submetidos ao procedimento, uma vez que a correta abordagem inclui ficar imóvel em um equipamento parcialmente fechado, em uma certa posição.

Para realizar o exame o paciente deve retirar joias, botões ou roupas com itens metálicos, também é necessário informar caso utilize próteses, marcapasso ou DIU e relatar quais medicamentos se faz uso. Algumas dessas situações podem impedir a realização da ressonância.

Em alguns casos, pode-se usar protetores de ouvido para aliviar o incômodo causado pelo barulho do aparelho durante a realização do exame. Caso sinta algum desconforto ou relate algum problema, o paciente pode acionar um dispositivo que fica todo o tempo à sua disposição, avisando o técnico e interrompendo o exame. Devido ao detalhamento do exame, qualquer movimento pode prejudicar a imagem obtida, sendo que em alguns casos, os profissionais responsáveis podem optar por imobilizar a parte do corpo alvo do exame.

Dependendo da solicitação do médico, pode ser necessário o uso de contraste por via intravenosa para visualizar mais claramente as estruturas internas. Caso essa indicação seja feita, a substância utilizada é o gadolínio, o mais seguro, minimizando alergias e efeitos colaterais.

Após a realização do exame o paciente é liberado imediatamente. O resultado pode demorar alguns dias para ser emitido.

Quando a ressonância magnética é indicada?

Como afirmado anteriormente, a ressonância magnética é um exame indicado para auxiliar no diagnóstico de diferentes condições. O mecanismo do aparelho é baseado na organização de prótons dos átomos de hidrogênio existentes no corpo, assim eles emitem uma corrente elétrica durante o exame pela qual é possível identificar oscilações milimétricas no exame.

Entre as patologias que podem ser diagnosticadas estão:

  • aneurismas;
  • tumores;
  • derrames;
  • infecções;
  • doenças cardíacas;
  • tendinite;
  • esclerose múltipla;
  • malformações.

O médico poderá recomendar a ressonância magnética quando tiver suspeita dessas diferentes doenças ou quiser investigar mais detalhadamente um diagnóstico já confirmado. Atualmente, o exame é pouco usado como uma opção para prevenção, mas é um grande aliado na identificação de doenças como o câncer de mama.

Nesses casos, o exame permite identificar as características do tumor e assim auxiliar o médico na definição de uma conduta mais adequada, como a cirúrgica, quimioterápica ou outra. Apenas um oncologista de confiança poderá confirmar se a ressonância magnética é o exame mais adequado para o caso.

Arquivo em: — Clínica da Mama @ 20/03/2018, 09:00

OUTRAS NOTÍCIAS

MARQUE SUA CONSULTA OU EXAME:

Para Agendar Consultas, Exames e Procedimentos.
(61) 3213 6625